quinta-feira, 10 de maio de 2012

Destino: Monte Verde (MG)

Ufa! Depois de longa temporada, esta é uma tentativa de voltar a publicar com uma certa assiduidade no blog. Tenho tido tantos compromissos profissionais e pessoais ultimamente que está difícil ter tempo (e principalmente ânimo!) para escrever. Mas vamos lá! Hoje vou falar sobre um destino que conheci há pouco tempo: Monte Verde.

Sobre Monte Verde
 

Distrito do município de Camanducaia, Monte Verde fica bem próximo à divisa entre os estados de Minas Gerais e de São Paulo e a cerca de 450 km de distância de Belo Horizonte, a capital dos mineiros. A vila se apresenta como um pedacinho da Suíca no sul de Minas Gerais. A temperatura é amena no verão (que tal 17 graus em pleno Carnaval?) e bastante baixa durante o inverno.


Antes de conhecer Monte Verde, ouvi algumas vezes que o lugar era a cidade de Campos de Jordão mais barata.  Na minha opinião, o vilarejo está ainda bem longe disso. Embora tenha o clima gostoso de montanha, um certo charme e algumas outras similaridades com o município paulista, Monte Verde não tem a estrutura e a organização da vizinha famosa. E esse fato não interfere exatamente nos preços. Realmente um passeio por lá sai mais em conta que em Campos do Jordão, mas os preços também não são tão baratos assim, principalmente no inverno.

Creio que o maior problema de Monte Verde para o visitante é o estado das ruas. Quando estive por lá, em fevereiro, as principais vias do lugar estavam dominadas por buracos e desníveis no piso. E não é aquela aparência de  destino rural ou de aventura, para onde você vai esperando mesmo ruas sem calçamento e acessos difíceis. É simplesmente aparência de desleixo. É fácil perceber que algumas das ruas foram asfaltadas um dia, pois há pedaços de asfalto no meio de ruas de terra. A pousada em que fiquei hospedada fica em uma avenida que praticamente só tem hotéis. E a rua inteira era exatamente assim.

Falando desse jeito parece que eu detestei o lugar. Pelo contrário, apesar dos problemas apontados, Monte Verde tem também muitas qualidades enquanto destino turístico. O principal deles talvez seja o ótimo atendimento em pousadas, lojas e restaurantes. Em geral, as pessoas são bastante gentis e acolhedoras. É um lugar desses para descansar muito, desfrutando das amenidades oferecidas pelas pousadas; curtir um passeio pela charmosa rua principal; comprar artesanato, doces, queijos; fazer trilhas para obter as melhores vistas da região; e comer e beber muito bem.

Como chegar

O acesso à Camanducaia é pela BR-381 (Rodovia Fernão Dias). Tanto para quem vai de Belo Horizonte quanto para quem vai de São Paulo a estrada é excelente. A distância de Belo Horizonte é de mais de 450 km, enquanto que de São Paulo e Campinas fica em torno dos 160 km. Para quem vai do Rio de Janeiro o trajeto aumenta para aproximadamente 550 km. De Camanducaia até Monte Verde são mais cerca de 30 km por uma estradinha asfaltada, porém estreita.

Para quem não vai de carro, há diversos horários de ônibus entre São Paulo e Camanducaia. De lá, é só pegar  um outro ônibus até Monte Verde. Mas é preciso estar atento, pois o último horário de circulação desta linha é 19h, de segunda-feira a sábado, e ainda mais cedo aos domingos e feriados. Quem vai de Belo Horizonte, pode pegar o ônibus para São Paulo e descer em Camanducaia ou Cambuí. Para quem segue de Campinas ou do Rio de Janeiro, é preciso fazer baldeação em outras cidades. Para saber mais sobre essas opções, clique aqui.

Onde ficar

Há inúmeras opções de hospedagem em Monte Verde. Eu fiquei na Pousada Águia Dourada, localizada na Avenida Sol Nascente. Nessa mesma avenida há várias outras pousadas similares. Particularmente, meu marido e eu procurávamos um local que aceitasse animais. Encontrei muitas opções, mas achei a Águia Dourada mais interessante. 

Não me arrependo da escolha, gostei bastante do local. Fizemos um pacote com meia pensão, e valeu à pena. A comida era bem gostosa. A pousada dispõe de duas piscinas pequenas (sendo uma delas coberta e aquecida), sauna, salão de jogos, aparelhos de ginástica, e hidro spa coberto. Nos quartos, há lareira, TV a cabo, frigobar, telefone e internet wireless gratuita (e em alguns deles também banheira de hidromassagem). 

No Guia Monte Verde, é possível fazer uma pesquisa determinando os requisitos mínimos que você procura na hospedagem (como aceitar animais, por exemplo). Para acessar, clique aqui.

O que fazer

Além de descansar e curtir o que a pousada oferece, em Monte Verde as opções de lazer são dar umas voltas pelo centrinho, fazer trilhas, passeios a cavalo e roteiros de aventura. No distrito, há também uma pista de patinação no gelo.

As principais trilhas são as que levam às pedras da região, de onde se têm belas vistas. São elas Pedra Partida, Pedra Redonda, Chapéu do Bispo, Platô e Pico do Selado. Como pegamos alguns dias de chuva, conseguimos fazer apenas uma dessas trilhas. Optamos pela Pedra Redonda, cujo percurso dura cerca de 1h30 e não apresenta grandes dificuldades. De lá se vê o próprio distrito de Monte Verde e a cidade de São José dos Campos. Não há necessidade de acompanhamento de guia turístico.


Os acessos à Pedra Partida e ao Chapéu do Bispo ficam próximos à Pedra Redonda. Para quem quer alcançar o ponto mais alto de Monte Verde, o ideal é a trilha do Pico do Selado. No entanto, esse percurso, que dura cerca de 2h, apresenta maior grau de dificuldade. Em cidades próximas, há ainda outras opções para os apreciadores do ecoturismo, como a Cachoeira dos Pretos, em Joanópolis, por exemplo.

Há muitos guias e empresas que oferecem passeios de aventura pela região. Na Monte Moto, você pode alugar quadriciclos, motos ou jipes para explorar os arredores de Monte Verde com o apoio de guias especializados.

No circuito Fazenda Radical, na estrada Camanducaia/Monte Verde, o visitante encontra duas tirolesas que totalizam 925 metros de extensão. Já no Espaço Adélia, na entrada da vila, é possível praticar aborismo, arco e flecha, escalada, tiro ao alvo e até mesmo paintball. O local conta ainda com uma galeria de artes, área de eventos e espaço para crianças.

Para quem gosta de andar a cavalo, logo no início da Avenida do Sol é possível contratar um passeio. Eu curto cavalos, mas não este tipo de passeio. Em geral, os animais me parecem muito maltratados, e em Monte Verde não achei diferente. Já a patinação no gelo, que também não experimentei, fica na Avenida Monte Verde, 1643.

Outro atrativo turístico é o aeroporto, considerado um dos mais altos do país (a 1.600 m de altitude) e próprio para pouso de pequenos aviões. De seu mirante, é possível enxergar toda a a vila e as montanhas do entorno. O acesso pode ser feito de carro.

Compras

Em Monte Verde, as compras giram em torno do artesanato, desde peças para casa, como colchas, jogos americanos, pesos para porta e caixas decoradas, entre outras, até itens como sabonetes e velas artesanais. Também é fácil encontrar artigos alimentícios, tais como queijos e doces mineiros, cachaças, bolos e geleias. Há ainda muitas lojas que vendem roupas e acessórios de malha e tricô. A maioria das lojas fica na Avenida Monte Verde. Há ainda a cerveja artesanal produzida pela Fritz. Aliás, é possível fazer um tour pela fábrica e conhecer o processo de fabricação da bebida, na Rua Rolinha, 40.

Atenção! Monte Verde tem apenas uma agência do Bradesco. Se você trabalha com outros bancos, o ideal é levar uma certa quantia em dinheiro. Obviamente, quase todas as lojas da vila já trabalham com cartões de débito e crédito, mas conversando com vendedoras de um estabelecimento por lá, fiquei sabendo que em um feriadão a rede caiu completamente em Monte Verde (se eu não me engano, por conta de um acidente

Onde comer e beber

  • Chopp do Fritz
Localizada no número 40 da Rua Rolinha, é especializada em pratos e tira-gostos tipicamente alemães, como combinados de salcichas, o eisbein (joelho de porco), e o kassler (pedaços de carne de porco), entre outros, embora ofereça outras opções como picanha, filé mignon e até mesmo salada. Mas o forte da casa, obviamente, são as cervejas artesanais: Klar, Natur, Köelsch, Dunkel e Weizen. Para saber mais sobre os produtos e sobre as chopperias (foram inauguradas quatro filiais em municípios paulistas), clique aqui. O lugar é muito legal!

Destaque para a temperatura, à noite, em pleno Carnaval: 16,8...



  • Mont Vert - A Casa do Fondue
Situado também na Rua Rolinha, 71 (em frente ao Chopp do Fritz), o restaurante tem entre seus destaques o fondue mix "duas caras", de chocolate branco e preto, e o fondue de carne na pedra (gerando menos fumaça e incômodo para os clientes). Para quem faz questão do método tradicional, o fondue de carne também pode ser feito no óleo. Todas as noites, há rodízio de fondue, com filé mignon, truta, filé de frango, queijos, chocolate e frutas, além das opções a la carte. Uma delícia! Lá provamos um excelente vinho, que encontramos à venda depois na Galeria Vila Europa, na esquina da Avenida Monte Verde com a Rua Rolinha.


  • Villa Donna Bistrô e Café Bistrô
Embora eu não tenha almoçado em nenhum dos dois restaurantes, o cardápio de ambos me pareceu bem interessante. O Café Bistrô (Shopping Inverness - Avenida Monte Verde, 1000) tem no menu nhoque recheado, truta e filé mignon. Já o Villa Donna Bistrô (Galeria Vila Europa - Avenida Monte Verde, esquina com Rua Rolinha) conta com pratos como nhoque de madioquinha e risoto de cogumelos frescos, além de massas, caldos, carnes, aves e peixes.

Observação: Há diversas opções de restaurantes ao longo da Avenida Monte Verde.

Até a próxima!
 
Fotos: Karine e Leandro Iglezias


4 comentários:

  1. Oi, amiga querida,

    Que bom que vc voltou a postar, eu já estava com saudades!!!
    Adorei tudo, tenho muita vontade de conhecer (apesar das estradas mal cuidadas, rs), mas deu para perceber que é uma cidade bem gostosinha mesmo.

    Deixo meu beijo carinhoso à vc, e obrigada por todos os recadinhos que vc carinhosamente faz em meu blog.

    Neudi

    ResponderExcluir
  2. Ola Karine, adorei sua matéria, muito bacana, mas posso fazer umas ressalvas? A vila ainda oferece a galeria de arte da Paula Unger " Unger's Pottery house" e passeios pelos arredores, como o bairro do Bom Jardim com restaurantes ótimos e paisagens lindas, quanto às ruas da parte turistica acho que precisam de mais cascalhamento , mas nunca modernidade demais para não perder o principal de que diferencia Monte Verde de outras cidades, o ar de cidade de campo! Senão vira um bairro de São Paulo, como é o caso de Campos do Jordão, Monte verde é uma cidade para curtir quem você mais ama, seja namorado, marido ou filhos e ser feliz!
    Ak.

    ResponderExcluir
  3. Maravilha este lugar ,é mesmo um paraíso perdido .
    Valecada centavo gasto neste passeio é Fantástico.
    PY2255SWL
    http://qsldobrasil.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Karine!

    Parabéns pelo artigo! Muito completo e legal!
    Eu possuo um site sobre Monte Verde e sempre estou publicando novidades sobre a cidade.
    Se puder, por favor, inclua uma menção ao meu site, em seu artigo. O nome dele é Monte Verde Online ( http://www.monteverdeonline.com.br/ ). Tenho certeza que seus leitores vão gostar!

    Com relação às ruas da cidade, estive lá esses dias e posso afirmar que a avenida principal foi toda arrumada. Monte Verde está cada vez mais linda e aconchegante!

    Um abraço

    Alessandro

    ResponderExcluir